ESTUDO DA MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

João Ricardo Inglêz, José Geraldo Vidal Vieira, João Eduardo de Azevedo Ramos da Silva

Resumo


O presente estudo discorre sobre a mobilidade urbana na Região Metropolitana de São Paulo, cuja situação veículos, principalmente dos particulares. Os investimentos dos órgãos governamentais em transporte público têm sido crescentes e pesquisas de levantamento das externalidades e mobilidade urbana têm sido feitas. No entanto, existem poucas pesquisas que fazem uma correlação entre o padrão da mobilidade e suas externalidades. Por meio da investigação, análise e aplicação de métodos estatísticos a dados disponibilizados publicamente, analisou-se de maneira quantitativa a situação atual dos padrões de mobilidade e os níveis das externalidades que afligem a região – poluição, acidentes de trânsito, congestionamento, entre outros. Ainda, têm-se como parte do estudo uma previsão para os próximos anos dos aspectos citados, por meio da aplicação do método de regressão linear, e uma análise dos possíveis impactos que estas mudanças poderão causar ao longo dos anos. Os principais resultados mostram um crescimento constante e ininterrupto da frota ao longo dos últimos anos; previsão de crescimento de 30% na frota de automóveis e 54% na frota de motocicletas até 2025. Nos últimos 10 anos, observou-se um aumento de 34% na emissão dióxido de carbono e 33% de dióxido de enxofre; redução de 35% de monóxido de carbono e 43% de material particulado; aumento de 27,5% no número de mortes de motociclistas, redução de 26% no número de mortes de pedestres e de 35% no de mortes de motoristas/passageiros; e uma oscilação cíclica nos índices de congestionamento.

Palavras-chave


mobilidade urbana, mobilidade urbana sustentável, externalidades, transporte público

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


LAJBM está indexada em:

   

 

ISSN: 2178-4833